quinta-feira, setembro 1

Uma dor

Dóis-me. Tenho o coração apertado, de tanta vontade que tem de ti. E não há nada que te traga até mim. Que reponha aquele abraço que pediste. Que devolva o sabor que levaste.
Dóis-me. Tenho o coração partido ao meio. Metade está encaixada dentro do meu corpo, a outra vagueia por parte incerta, à procura não sei de quê. E já leva cansaço, de tanto procurar.
Dóis-me. Tenho o coração sofrido. Chora-te a toda a hora, lembra-se do bater do teu e suspira. Devagar, como diz a canção. E não há nada que te devolva a mim, que traga de novo o teu olhar de encontro ao meu.
Dóis-me. Não sei por que caí. Só adivinho difícil isso a que chamam levantar. É pesado o fardo de nos cair o coração, assim, sem amparo, sem rede. E logo a mim, que me vês fria. Eu não passo daquilo de que sou feita: eu com o meu coração caído, sofrido, partido ao meio, apertado. Sei-o agora.
Dóis-me. Aquele mar tranquilo ficará para sempre à espera de um “a” que se lhe junte. Ele e eu.
Dóis-me.

11 Comments:

Blogger paulo said...

Nas mãos vazias tenho pedaços de ti
Entranhado nas unhas o cheiro da tua pele
A boca sabe a teu cabelo
A cabeça pede urgência de esquecer-te

Sinto-me livro fechado
Com capítulos de ti, parágrafos de ti
Todo ele frases e palavras de ti
Onde está a biblioteca mágica onde te perca

Ir aonde tu não estejas é sonho impossível
És a roupa que visto, meus olhos são teus
Voltar a ser eu miragem vácua
De um oásis verde-esperança imaterial

Vou deixar-me por aqui
A olhar o oceano perpetuamente azul
Desejar-me sem ti
Enquanto cumpro a espera

Beijo e coraçãozinho valente, tá?

1/9/05 2:30 da tarde  
Anonymous cadelinha lésse said...

isnif

1/9/05 2:52 da tarde  
Blogger maria said...

Como julgo que gostas dEle e como, quanto maior e mais cheio é o coração mais pesa e custa, por isso, levantá-lo... aqui vai frase de um Senhor Grande:

“que o passado era mentira, que toda a Primavera antiga era irrecuperável e que o amor mais desatinado e tenaz não passava de uma verdade efémera.”
Gabriel Garcia Marques

às contas de corações ausentes e, dores das que parecem matar-nos devagarinho, sem parar até todo o sangue estar gasto...

Às vezes ficamos tão gastos, tão cansados de andar aos tombos em busca de não se sabe o quê que... mais tarde, damos connosco a pensar em delícias e, de imediato, a cortar as nossas próprias asas de sonho, a medir a felicidade que experimentamos, a dosear com colherinhas pequenas esses degraus de “estar feliz” que há tanto tempo não conhecíamos.

Pensei que tinha morrido para as acelerações da alma. Pensei que me tinha fechado para obras. Pelo menos, que me tinha fechado para um longo balanço. Pensei que jamais alguém voltaria a ter o poder de me fazer acordar desse sono dormente em que me coloquei há já tantos anos...

mas, um dia, sem saber bem como, toda a gente volta à vida.
É.
Deve ser por isso que temos de passar pelas agruras... raio de forma de ser gente que nos calhou nisto de ser parte da humanidade! Cansa, não é?! Dói que se farta...

1/9/05 5:12 da tarde  
Blogger Cadelinha Lésse said...

Pois dói. Que se farta.

1/9/05 5:15 da tarde  
Blogger maria said...

:)
Estamos contigo!

1/9/05 5:16 da tarde  
Blogger Rosario Andrade said...

Ola Lésse!!!!!
Oh, obrigada pela visitinha ao I&I e sobretudo por esse meio me dares a conhecer o teu blogue! Adoro! vai ja para os favoritos...
Gostas de gatos? É que aqui em casa so ha gatinhos... mas tambem gostamos da "perros" (mirandes)!
Ladradelas e bjocas

1/9/05 6:27 da tarde  
Blogger Rosario Andrade said...

Querida Lesse,
Desculpa, estou a ouvir a Dança da Solidao (da Marisa Monte)e nao sei porque lembrei-me de ti...

(...)
Quando vem a madrugada vagueia
como os dedos na viola,
contemplando alua cheia.
Apesar de tudo existe
uma fonte de água pura,
quem beber daquela água,
não terá mais amargura.

Desilusão, desilusão
danço eu, dança você
Na dança da solidão.

Espero que encontres a tua fonte depressa. E te sacies... nao desesperes.

Abracicos

1/9/05 9:04 da tarde  
Blogger Rosario Andrade said...

Ups, é :
...
Quando vem a madrugada
meu pensamento vagueia
...

1/9/05 9:06 da tarde  
Blogger maria said...

Lésse, ainda que não importe muito ou importe mesmo muito pouco ou tenha a importância que tiver no instante em que é lido ou... ou, coisa nenhuma, bolas! Importa que há pessoas muito lentas, percebem tarde ou nunca o que importa (eu sei do que falo, sou dessas quando é de afectos que se trata!) mas também há pessoas que (mesmo as nabas do coração, como eu, lá está) sabem sempre "intuir" onde estão os Amigos! as Amigas! olha... lá estou eu a palavrear... mas isto tudo é só pra dizer assim:

Miúda, Gosto Muito de ti!

Tenho dito! :)

2/9/05 12:34 da tarde  
Blogger paulo said...

Iden iden, aspas aspas

2/9/05 1:54 da tarde  
Anonymous doido said...

Tambem me doi.
Da Holanda.

Doido

2/9/05 2:25 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home